quarta-feira, 1 de outubro de 2014

«Em Portugal, no fim da lide, inicia-se o maior processo de selvajaria que se possa imaginar.»


Fora do contexto??????????????
«Em Portugal, no fim da lide, inicia-se o maior processo de selvajaria que se possa imaginar. Sim, porque não é o Dr. Grave que está nos curros ou em cima das camionetas a arrancar bandarilhas, escarafunchar feridas, injectar desinfectantes com seringas e borras de clister, puxar daqui e dali.

São normalmente pessoas sem preparação e impiedosas, que acham imensa graça aos urros de dor dos animais. Digo-to com conhecimento de causa, porque uma vez no Alandroal, fiquei num lugar com acesso visual completo aos curros. E o quem vi não foi bonito».


O que o "sr" diz(publicado na página da prótoiro):

Caros aficionados, aqui vos deixamos as palavras do Dr. Joaquim António Ramos respondendo ao PAN sobre a utilização descontextualizada das suas palavras numa campanha contra a tauromaquia.

Exmos Senhores :


Foi com surpresa que constatei, em Maio do corrente ano, que o PAN tinha utilizado uma frase minha, completamente descontextualizada, que referia que " Em Portugal, depois da lide, inicia- se a maior selvajaria....".


1 . Tal frase foi escrita numa opinião mais ampla em que defendo a corrida integral em Portugal, isto é, com a morte imediata do toiro na arena;


2 . Não me foi solicitada, da vossa parte, qualquer autorização para a utilização da referida frase;


3 . A tese fundamental desse meu artigo é que em Portugal, onde grassa a hipocrisia, o que não se vê não existe. Aconselhava a que constatassem como na maior parte dos casos são criados, tratados, transportados e abatidos porcos, frangos, bois e outros animais . Mas como não se vê, o PAN tem estado nas tintas para isso;


4 . Envio- vos este mail agora pois sei que se iniciou segunda revoada dos ditos cartazes ( parece que em Setúbal ) mas aviso já que não processarei, como não o fiz anteriormente, os autores dos cartazes. Mais publicidade à minha custa, não !


5 . Quando decidirem denunciar e fazer campanhas relativas às questões acima enunciadas - criação e abate dos outros animais que nos enchem o prato de coxas, bifes, entremeadas, etc - podem contar com os meus fracos préstimos. 


6 . Para lutar hipocritamente contra uma tradição ancestral portuguesa que evitou a extinção duma espécie e faz do toiro bravo o animal mais feliz e livre de criação humana, não contem comigo.


7 . Mais informo que enviarei copia deste mail à Associação Pró-Toiro e pública- lo- ei no Facebook.


Cumprimentos

Joaquim António Ramos
Aficionado
Ex-Presidente da C.M.Azambuja

domingo, 28 de setembro de 2014

TOURO BRAVO


    A erva é tenra, o verde é paz e o Sol brilhou!
    O vento quebra os silêncios e os badalos são a música tranquila que embala os campos.

                                     SOU UM TOURO BRAVO!

     Herói amado e odiado!
     Rei dos pastos e olhar perdido...
     Força bruta que o medo excita.
     Gigante negro que se julga livre.

                                      SOU UM TOURO BRAVO!

      Escravo de especismo e raça de guerra inútil.
      Animal, como tantos outros, explorado...
   
      Um dia deixarei os pastos, a brisa e a música da Natureza.
      Ouvirei os gritos da turba ensandecida e sentirei a dor e o sangue que me queima o corpo.

                                     EU ERA UM TOURO BRAVO!

      Hoje sou carne ainda viva, para diversão alheia.
      Eu era o rei do prado!
      Hoje sou o farrapo que tenta sobreviver...
      Eu era a valentia que a dor roubou, trémulo e moribundo.
      Resta-me a saudade do pasto verde e a resignação aos ferros que me levam a dignidade.

                                     JÁ NÃO SOU UM TOURO BRAVO!

Um fraco sopro de vida, num corpo que não é mais meu...                                                                              

       Entreguei-me ao homem que imita valentia, à dor que me consome e à morte que tarda chegar.

                                             JÁ NÃO SOU UM TOURO!

       Sou apenas aquilo que acharam que nasci para ser e o que de mim fizeram ...

                                                                           
                                                                                            Teresa Botelho

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Câmara Municipal da Moita atribui subsídios de apoio à actividade tauromáquica



Câmara Municipal da Moita  atribui subsídios de apoio à actividade tauromáquica -2008 
Considerando que todas as expressões colectivas relacionadas com a tauromaquia existentes no concelho são um importante veículo de promoção e atracção do Município, a Câmara Municipal da Moita aprovou, na sua última reunião pública, a atribuição de subsídios de apoio à actividade tauromáquica, no valor total de 3150 euros. Foram aprovados os respectivos subsídios: Grupo de Forcados Amadores da Moita, 800 euros; Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita, 1100 euros; Grupo Tauromáquico Moitense, 500 euros e Clube Taurino da Moita, 750 euros. A Câmara Municipal deliberou ainda atribuir um apoio financeiro no valor de 500 euros, à Associação dos Romeiros para a Tradição Moitense.


Acta de 24/09/2010
Adesão à União de Municípios Taurinos, inscrição 1.000,00 euros, quota mensal 60,00 euros.
Acta de 31/08/2011
2.300,00 euros para o Grupo Tauromáquico Moitense - entradas e largadas de touros.
Acta de 06/07/2011
Grupo tauromáquico 750,00 euros.
Acta de 13/04/2011
Grupo de forcados Aposento da Moita 1.100,00 euros
Grupo de forcados da Moita 800,00 euros
Grupo Tauromáquico Moitense 400,00 euros
Clube Taurino da Moita 600,00 euros

http://www.cm-moita.pt/


- Em 13/4/2011 a Câmara Municipal da Moita atribui 2.900 euros de subsídios a várias associações tauromáquicas.

 Nesta reunião, a Câmara Municipal da Moita aprovou a atribuição de uma verba, no valor global de 2 900 euros, ao Clube Taurino da Moita (600 euros), ao Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita (1 100 euros), ao Grupo de Forcados Amadores da Moita (800 euros) e ao Grupo Tauromáquico Moitense (400 euros). A atribuição desta verba vem na continuidade do apoio que a Câmara da Moita tem dado a este sector, garantindo o desenvolvimento de diversas iniciativas ligadas à tradição tauromáquica, muito enraizada no concelho da Moita.



Câmara da Moita gastou mais de 8,1 mil euros em "toiros para largadas"

Na lista das compras efectuadas destacam-se algumas envolvendo animais. A Câmara Municipal da Moita, por exemplo, comprou "toiros para largadas". Os detalhes desta aquisição não foram publicados no portal Base( http://www.base.gov.pt/base2/) , sabendo-se apenas que foi feito um ajuste directo a Dilário Manuel Nunes Cavaco por 8,1 mil euros (sem IVA).

Uma pesquisa pelo nome do adjudicatário permite descobrir, no entanto, que este já é o sexto contrato do género celebrado com a autarquia desde 2011. O mais elevado (26,5 mil) foi assinado em Setembro de 2011 e abrangia a "contratação de toiros e cabrestos para a realização de entradas e largadas nas Festas Tradicionais do Município".


http://www.ionline.pt/artigos/dinheiro/toiros-estatuas-brasoes-pins-alfinetes-medalhas-uma-viagem-india/pag/-1

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Cantinas sociais de Vila Franca não conseguem dar resposta a tantos pobres


Desde o início do ano as cantinas sociais de Vila Franca de Xira estão a servir 861 refeições diárias a pessoas com grandes carências económicas. São mais 273 que em 2013.

A procura tem sido tão grande que abriram mais duas cantinas em Alverca e Vialonga e mesmo assim não se consegue dar resposta a todos os que necessitam de ajuda.

O pedido de alimentos, face a situações de desemprego, tem sido o que mais se tem verificado, quer ao nível da acção social do município quer nas associações do concelho com essas valências.

Dados do município mostram que no programa de ajudas alimentares a maioria dos cabazes entregues foram para as freguesias de Alhandra e Vila Franca de Xira. Este ano a câmara prevê entregar 6140 cabazes, mais 453 que no ano passado.

No âmbito do programa de apoio a situações de emergência, em que o município ajuda com verbas financeiras, o valor mais que duplicou nos primeiros meses do ano, passando dos 1121 euros entregues entre Setembro a Dezembro do ano passado para 3529 euros, só entre Janeiro e Maio de 2014.

Os locais onde mais se registaram atendimentos sociais foram Alverca, Sobralinho e Alhandra (de 81 para 130), Póvoa de Santa Iria e Forte da Casa (de 302 para 358) e Povos, Vila Franca de Xira (de 40 para 94).
Fonte: O Mirante


VERGONHOSO! 
NÃO HÁ DINHEIRO???? AUMENTA A POBREZA EM VILA FRANCA DE XIRA E O DINHEIRO VAI PARA ONDE? 

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira vai transferir 4.306 euros para a casa dos forcados. A quantia, destina-se a pagar o prémio de seguro de acidentes pessoais, (pagamento esse que tem vindo a ser feito desde 2007)
Fonte: O Mirante


EM 2012
Câmara de Vila Franca apoia temporada tauromáquica com dez mil euros
Fonte: O Mirante

DE 2008 a 2010
€ 1.133.904,14 para a tauromaquia em Vila Franca de Xira Mais de UM MILHÃO de euros de dinheiro dos contribuintes em apenas 3 anos!
Fonte:  "Execução anual do plano de actividades municipais"

terça-feira, 20 de maio de 2014

Câmara Municipal CONTINUA a Pagar Seguro de Acidentes Pessoais aos Forcados

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira vai transferir 4.306 euros para a casa dos forcados. A quantia, destina-se a pagar o prémio de seguro de acidentes pessoais, (pagamento esse que tem vindo a ser feito desde 2007) dos energúmenos que se dedicam a violentar touros moribundos.

Já que a lei permite que estes tipos abusem de bovinos, arriscando a lesionar-se, então que sejam eles a pagar o seguro. Haja alguém que ponha cobro a esta pouca vergonha. Um país na penúria e estas câmaras que se apelidam taurinas, continuam a delapidar impunemente os cofres municipais.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Fonte: O Mirante
Desde 28 de Março de 2007, altura em que a câmara rubricou um protocolo com a associação, que o município apoia a colectividade com o pagamento do seguro.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Citação do ex. Presidente da CM de Azambuja

... esse "grande" aficionado e defensor das "touradas de morte". O que há a reter desta declaração não são esses detalhes - que não são novidade -, nem o facto de apenas ter escrito isto para defender a morte do touro na arena, é o resto. Ora leiam!

Fica claro como água... Depois não digam que somos nós que inventamos!

Fonte: ANIMAL 

Mais um seguidor do moita flores... deixou Azambuja numa cratera:
  OS DINHEIROS PÚBLICOS E A TAUROMAQUIA : Requalificação da Praça de Toiros de Azambuja custa 600 mil euros

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Município da Azambuja Aumenta IMI para Pagar Praça de Touros


"Há cerca de dois anos, a Câmara Municipal da Azambuja, gastou 600.000 euros na construção de uma praça de touros para umas centenas de pessoas. Centenas de pessoas essas, que só vão às touradas porque a câmara compra os bilhetes e oferece, caso contrário a praça estaria vazia.

Ora em 2013, o aumento do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), serviu para suportar o custo da praça de touros uma vez que o valor da mesma contribuiu para aumentar a dívida do município em milhões de euros.

Como contrapartida desse aumento os munícipes receberiam bilhetes para a tourada da feira de Maio.

No final de 2013 a Câmara recebeu a soma de 710.000 euros relativos a esse aumento, montante esse que serviu para amortizar a dívida gerada pela construção da praça de touros. Dessa verba nada sobrou para por exemplo: recuperar as piscinas, o mercado diário de Manique ou mesmo para subsidiar as obras no valor de 6.000 euros realizadas no campo de futebol de Aveiras de Cima.

Devido a tal facto, um grupo decidiu organizar duas touradas para arranjar essa quantia só que as mesmas deram prejuízos de cerca de 50.000 euros. E quem é que pagou esses prejuízos, a câmara pois claro.

Só mesmo neste país é que é possível um autarca endividar um município com a construção de uma praça de touros e para colmatar essa dívida aumentar o IMI!

Não fosse este o país da rebaldaria e este autarca estaria agora atrás das grades. E o caso da Azambuja não é único, uma vez que existem dezenas de autarquias que literalmente delapidam o orçamento municipal em obras em praças de touros, compra de bilhetes para touradas, etc."

Prótouro
Pelos touros em liberdade
http://protouro.wordpress.com/

quinta-feira, 13 de março de 2014

A criação de um toiro bravo

O Mirante dos Leitores

Edição de 2014-03-13

Se é por “paixão louca” por um animal que nos pomos a criá-los para ao fim de 4 anos os despacharmos para serem mortos depois de servirem de divertimento ao serem torturados numa qualquer praça de touros... (???!!!)...bom, deixemo-nos de paixões loucas, então! Fiquemo-nos só pelo “gostar” de animais! E por favor, não passemos a ter paixões loucas por pessoas ! 
A tourada tem os dias contados, como tantas outras formas de crueldade, tanto em Portugal como nos outros (poucos) países em que ainda sobrevive esta “paixão louca”. De facto, gostar de andar a espetar ferros no lombo de um bovino mostra bastante loucura, sim... E atribuir emoções de que só um ser humano é capaz, como o “humilhar”, a um bovino... enfim, poderá chamar-se transferência de sentimentos do ser humano para o bicho, mas não deixa de mostrar uma certa insanidade de quem nisso acredita... Por favor, avancemos para o Século 21 e acabemos com estas perversidades! As arenas de Roma também já passaram a museu!

Fernanda Correia

Não gosto de touradas como não gosto de muitas outras coisas. Percebo que quem cria um animal como um toiro bravo não o faça apenas por ser um bom ou mau negócio. Já não tenho a mesma opinião relativamente a quem cria animais em reservas de caça para proporcionar o prazer a quem tem dinheiro para isso, de os perseguir e matar a tiro. Não consigo perceber porque há tanta contestação às touradas comparativamente com a contestação à caça, por exemplo. Já nem sequer falo das crianças que poucos querem adoptar por ser mais fácil protestar contra toureiros do que fazer feliz uma criança. O mundo é mesmo uma grande porcaria e o homem é que o faz assim.

Jorge Calvão

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Embebedam-se Torturam Animais e Acabam nos Hospitais

video

Isto é o que acontece em todas as chamadas festas populares onde os touros são molestados e maltratados, como por exemplo largadas de touros.

Muito álcool, provavelmente à mistura com outras drogas, é o cocktail perfeito para a insanidade. E não somos nós que o afirmamos, são os médicos: “A maioria dos ferimentos sofridos nas largadas de toiros da região (Vila Franca de Xira) são causados pela ingestão em excesso de bebidas álcoolicas.”

Feridos graves a necessitarem de internamento hospitalar (os mortos não contam), passam a factura a todos os contribuintes, e tudo isto com a conivênicia daqueles que nos governam, uma vez que não existe nenhuma lei que regule este tipo de “divertimentos”.

E ano após ano, pessoas são gravemente feridas e os organizadores de tais barbaridades, recusam responsabilidades porque não existe legislação.

Prótouro
Pelos touros em liberdade


Álcool em excesso provoca dois a três feridos graves por ano nas largadas de toiros da região 

A maioria dos ferimentos sofridos nas largadas de toiros da região são causados pela ingestão em excesso de bebidas álcoolicas e todos os anos contribuem para uma média entre dois a três feridos graves na região que acabam por precisar de internamento em hospitais de Vila Franca e Lisboa. 
A informação é avançada por Nuno Araújo Bentes, médico de cirurgia geral do hospital de Vila Franca de Xira, que na manhã de sexta-feira, 14 de Fevereiro, falou sobre politraumas nas largadas de toiros, nas primeiras “Jornadas de Saúde” realizadas em Samora Correia, concelho de Benavente. 
“O álcool e os acidentes andam de mão dada. São alturas festivas em que se cometem excessos e habitualmente as vítimas de traumas mais graves são as que abusaram do álcool”, revela a O MIRANTE. 
O clínico, que trabalha há três anos no hospital, diz que o serviço está preparado para prestar o melhor apoio às vítimas e que nas alturas festivas toda a gente já se encontra de prevenção.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Azambuja contra a mudança do nome do campo da feira


A JUNTA NÃO TEM NADA MAIS IMPORTANTE PARA FAZER???
"Tauromáquico"!? Nem pensar!

SABIAM que na Azambuja, querem que o antigo "Campo da Feira" passe a chamar-se "Campus Tauromáquico" - designação que não faz qualquer sentido!
Por favor, assine esta petição:
http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT72518

Petição em Azambuja contra a mudança do nome do campo da feira
http://www.omirante.pt/index.asp?idEdicao=54&id=69784&idSeccao=479&Action=noticia#.UwY9Lvl_sue

«A Câmara Municipal de Azambuja aprovou na reunião de Câmara do dia 4 de Fevereiro, a alteração toponímica do actual "Campo da Feira" para "Campus Tauromáquico", zona que compreende uma praça de touros, a "Poisada do Campino", um pavilhão desportivo, e parque de estacionamento automóvel, à entrada da sede de concelho. A decisão motivou o desacordo das bancadas da oposição e até foi sugerido que o vereador António Amaral, membro do executivo PS, não votasse por ser parte interessada na matéria, pois foi o mesmo que enquanto presidente da junta de Azambuja sugeriu a alteração em causa. Tal não foi observado e depois de muita discussão o nome foi aprovado. Esta quinta-feira, dia seis, foi lançada a petição contra a decisão camarária, por Mário Pedrosa, enquanto cidadão. O mesmo integrou as listas da coligação de centro-direita nas últimas eleições para a junta de Azambuja, não tendo sido eleito.»
http://valorlocal.weebly.com/peticcedilao.html

OS DINHEIROS PÚBLICOS E A TAUROMAQUIA : Requalificação da Praça de Toiros de Azambuja custa 600 mil euros
http://vfxantitouradas.blogspot.pt/2012/03/praca-de-touros-de-azambuja-foi-um.html

~~~~~~~~~~~~~~~~~
«CURIOSIDADES: O "CAMPUS TAUROMÁQUICO"
Na Azambuja, a Junta de Freguesia pretende alterar a designação "Campo da Feira" para "Campus Tauromáquico".
A intenção de criar o "Campus" (que remete para Universidade), está a causar grande indignação, e os cidadãos locais até criaram uma petição. O promotor da petição lembra que "... não tem qualquer sentido a alteração do nome porque até a praça de touros só é utilizada uma vez por ano para uma corrida e uma novilhada."
Recorde-se, a propósito, que foram gastos 600.000 euros em obras nesta praça de touros, dinheiro que saíu dos bolsos dos contribuintes portugueses. De acordo com as estatísticas da IGAC, no ano passado realizaram-se duas touradas nesta praça...»

Basta de Touradas
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=722993477731461&set=a.472890756075069.108951.143034799060668&type=1&theater

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

"a tauromaquia tem um passado glorioso, um presente decadente e um futuro inexistente"

«A Tauromaquia Tem um Futuro Inexistente
O jornal “O Mirante”, publicou no dia 20 do corrente mês, um artigo intitulado: “Memórias de toiros Murteira Grave que faziam tremer as pernas a toureiros e forcados”.
Joaquim Grave filho, num jantar convívio no clube taurino vilafranquense, ao recordar o pai, proferiu a seguinte afirmação: “Hoje não há tempo para os toiros se criarem mas não concordo com os aficionados que dizem que a tauromaquia tem um passado glorioso, um presente decadente e um futuro inexistente. O segredo dos ganaderos e dos aficionados é saber acompanhar os tempos”.
A afirmação só vem provar que até os aficionados sabem que as touradas têm um futuro inexistente. Obviamente que ele discorda porque quando as touradas acabarem, acaba-se o negócio e os subsídios.
E como o negócio vive à conta dos aficionados, está tudo dito.»
Prótouro
Pelos touros em liberdade